domingo, 3 de julho de 2011

A tragédia do RMS Tayleur

O navio, que assim como o RMS Titanic, afundou na viagem inaugural

O belíssimo e gigante RMS Tayleur da White Star Line

 

Introdução

O RMS Tayleur foi um dos primeiros navios da frota da White Star Line, e é considerado ao primeiro Titanic da WSL. Era totalmente equipado com casco de ferro e foi fretado pela White Star Line. Ele era grande, rápido e tecnicamente avançado. Ele encalhou e afundou em sua viagem inaugural no ano de 1854. O naufrágio foi causado tanto por uma equipe inexperiente e equipamento defeituoso. Dos mais de 650 passageiros a bordo, apenas 290 sobreviveram.

A Construção

O Tayleur foi desenhado por William Rennie em Liverpool e construído para os proprietários da Charles Moore & Company. Ele foi lançado em Warrington sobre o rio Mersey em 4 de outubro de 1853 – num tempo recorde de 6 meses de construção. Ele tinha 230 metros de comprimento, 28 metros de altura com 40 metros de largura, tres deck’s e 1.750 toneladas, enquanto que 4.000 toneladas de carga poderiam ser transportada. Ele foi nomeado em relação a Charles Tayleur, fundador da Engineering Works. O novo navio foi fretado pela White Star para atender a expansão das rotas de comércio na Austrália, como transporte de ouro.

O Desastre

Representação da tragédia

O RMS Tayleur deixou Liverpool em 19 de janeiro de 1854, em sua viagem inaugural para Melbourne, na Austrália , com 652 passageiros e tripulantes. Foi comandado pelo Capitão John Noble, com 29 anos de carreira. Posteriormente, durante o inquérito, determinou-se que da tripulação de 71 marinheiros a bordo, apenas 37 eram treinados, e destes, dez não falavam Inglês. Foi noticiado em jornais que muitos dos tripulantes eram “penetras” em destino a Austrália. A maioria da tripulação sobreviveu.
A bússula a bordo não funcionava corretamente por causa do ferro do casco. A equipe acreditava que estavam navegando para o sul através do mar da Irlanda, mas na verdade estavam viajando para o oeste para a Irlanda! Em 21 de janeiro de 1854, depois de 48 horas de navegação, o Tayleur entrou em uma névoa e em uma tempestade, indo direto para a ilha de Lambay. O leme era pequeno para sua tonelagem e dimensão, de modo que era incapaz de manobrar em torno da ilha. O equipamento estava completamente com defeito; as cordas não tinham sido devidamente esticadas, de modo que elas ficaram com folgas, o que tornava impossível o controle das velas. Apesar de ter baixado duas âncoras, logo que as rochas foram avistados, ele encalhou no leste da costa da Ilha Lambay, cerca de cinco milhas da Baía de Dublin .
Inicialmente, foram feitas tentativas de baixar os botes salva-vidas, mas quando o primeiro bote foi esmagado pelas rochas, o lançamento de barcos foi considerado inseguro. Tayleur estava tão perto de terra que a equipe foi capaz de baixar um mastro para a praia, como uma ponte, e algumas pessoas a bordo conseguiram saltar para terra escalando o longo mastro recolhido. Alguns que chegaram em terra conseguiram salvar outros que se puxaram em segurança pelas cordas. O Capitão John Noble esperou a bordo do Tayleur até o último minuto e, em seguida, pulou para a corda, sendo resgatado por um dos passageiros.
Com a tempestade e maré alta contínua, o navio foi então levado para águas mais profundas. Ele afundou e apenas os topos de seus mastros eram vistos.
Um dos passageiros sobrevivente alertou a guarda costeira da estação na ilha. Este passageiro e quatro guardas da costa lançaram ao mar um barco da guarda costeira. Quando chegaram aos destroços, encontraram o último sobrevivente, William Vivers, que havia subido ao topo do mastro, e já havia ficado lá por 14 horas, sendo resgatado em seguida. Em 2 de março de 1854, Joseph Sweeney, o barqueiro chefe, foi premiado com uma medalha de prata pelo resgate. Alguns jornais culparam a tripulação por negligência, mas o Capitão John Noble colocou a culpa no navio e nos proprietários, acusando-os de negligência por permitir que o navio partisse sem a bússola estar devidamente ajustada. A Câmara de Comércio, no entanto, não culpou o Capitão por não cumprir suas obrigações corretamente. Os destroços foram vendidos como sucata, mas parte dele ainda está a 18 metros de profundidade e não puderam ser recuperados. O Tayleur foi comparado com o RMS Titanic pois eles compartilhavam semelhanças, mas em épocas distintas. Ambos foram navios denominados “RMS” e foram da White Star Line (embora o Tayleur fosse, inicialmente, de outra empresa), e ambos naufragaram em suas viagens inaugurais. Equipamentos defeituosos e inadequados contribuiram para as duas catástrofes (bússolas defeituosas para o Tayleur, e falta de botes salva-vidas para o Titanic).

Medalha de Joseph Sweeney

Medalha que Joseph Sweeney ganhou pelo resgate de passageiros no navio

Inquéritos e Números

Houve quatro inquéritos oficiais: The inquest, realizada em Malahide pela Câmara de Comércio; The Board of Trade, realizado pelo Captain Walker; The Admiralty realizado pelo Sr. Grantham, inspetor de navios e o The Liverpool Maritime Board que tentou testar a aptidão do Capitão John Noble no comando. Há contradições entre esses inquéritos. Os número de vidas perdidas variam. Os últimos indicam que estavam a bordo entre 528 e 680 pessoas, enquanto os mortos devem ser, pelo menos, entre 297 e até 380. Das mais de 100 mulheres a bordo, apenas três sobreviveram, possivelmente por causa da dificuldade com as roupas e vestimentas da época. Quando a notícia do desastre chegou à Irlanda, a cidade de Dublin Steam Packet Company enviou o navio Prince para procurar por sobreviventes.

Os Destroços

Os restos do navio são considerados um patrimônio. É ilegal mergulhar sem autorização prévia do Departamento de Obras Públicas. O navio encontra-se, em uma única peça de 30m (já que teve a mior parte desmontada) no Oriente Sul da Ilha Lambay em uma pequena reentrância, em 53° 28'54 "N  e 06° 01'12 "W. A carga ainda existente inclui louças e lápides de porcelana estampadas brancas e azuis. Com mais de 100 anos de naufrágio, todos os ítens encontrados devem ser deixados no local.

 Lápides ainda visíveis nos destroços do TayleurLápides nos destroços 

 

-- Edição de tradução: Lucas Rubio

 

Especialmete dedicado aos amigos: Rodrigo Piller, João Pedro, Pedro Delano, Izaque e Sergio.

______________________________

Лукас Рубио

 

5 comentários:

SERGIO JUNIOR disse...

Nossa,as semelhanças entre o Titanic e o Tayleur,são muitas,inclusive a dos equipamentos,como a bussula e os botes.
Ótimo post e obrigado pela dedicatória.

Quimica disse...

Muito Legal o seu post. Sempre achei fascinante as velas, são históricos navios.Obrigado pela dedicatória e continue com o bom trabalho! Céus Limpos!

Quimica disse...

O meu nome tá errado. Sou eu Pedro.

Rodrigo disse...

Obrigado pela dedicatória amigo.

Que história interessante. A interferência do ferro sobre a bússola é algo curioso, lembrei que no Titanic as bússolas ficavam afastadas de peças metálicas, pois a ponte de comando era parcialmente de madeira, a plataforma em cima do teto do Lounge também continha um mínimo de ferro e a ponte de navegação na popa também continha pouco ferro para que não interferisse na agulha, só descobri isto recentemente. As mulheres neste caso do Tayleur foram muito prejuducadas hein. Enquanto que no Titanic elas foram privilegiadas com a preferência nos botes, no Tayleur elas sofreram o "mal da moda", que curioso.

É, o mar é um túmulo que não aceita lápide, e sobre ele paira uma nuvem de fascínio, respeito e grandes perigos.

Até mais.

Ruan Guilherme disse...

História interessante e trágica a WSL REALMENTE ''afundou'' na arrogância de seus donos