domingo, 2 de janeiro de 2011

Nova bactéria descoberta irá destruir o Titanic aos poucos

***Artigo publicado no site RMS Lucas Rubio. Algumas informações de data podem estar desatualizadas.


Nova bactéria descoberta nos destroços do transatlântico gosta de comer ferrugem!


Os destroços do RMS Titanic em breve poderão ser perdidos, graças a uma bactéria recentemente descoberta que gosta de comer ferrugem.

Pesquisadores da Universidade Dalhousie, em Halifax, Nova Scotia, no Canadá têm vindo analisando as bactérias devorando os restos do famoso navio, uma vez que se está no leito do Oceano Atlântico Norte.

Usando a tecnologia de DNA, os cientistas Dalhousie Henrietta Mann, Bhavleen Kaur e pesquisadores da Universidade de Sevilha, na Espanha foram capazes de identificar uma nova espécie bacteriana coletada de rusticles (uma formação de ferrugem semelhante a um pedaço de gelo ou de estalactite) a partir do naufrágio do Titanic. A bactéria do ferro-óxido vem mastigando os destroços.Foi nomeada Titanicae Halomonas.

As bactérias têm implicações críticas para a preservação dos destroços do navio.


"Em 1995, eu estava prevendo que o Titanic poderia ter mais 30 anos de vida", disse Mann. "Mas eu acho que se está deteriorando muito mais rapidamente do que antes. Talvez daqui a mais 15 ou 20 anos não restará nada, mas sim, uma grande mancha de ferrugem".

Os destroços estão cobertos com rusticles; as “estalactites” são formadas a partir de, pelo menos, 27 tipos de bactérias, incluindo a Titanicae Halomonas.
Exemplo das "estalactites" de bactérias no Titanic


Rusticles são porosas, por isso permitem a passagem da água, pois eles são muito delicados e eventualmente se desintegram em pó fino. "É um processo natural, reciclagem de ferro e devolvê-lo à natureza", disse Mann.

Durante décadas seguintes naufrágio do navio em 1912, o local final de descanso do Titanic permaneceu um mistério. Descoberto por uma expedição em 1985, o navio está localizado a pouco mais de 2 milhas (3,8 km) abaixo da superfície do oceano e 329 milhas (530 quilômetros) a sudeste de Newfoundland, no Canadá.

Nos 25 anos desde a descoberta dos destroços do navio, o Titanic tem se deteriorado rapidamente.

A desintegração do Titanic faz a conservação do navio ser impossível mas, as bactérias fazendo o dano, podem ser úteis para acelerar a eliminação de outros velhos navios e plataformas petrolíferas. Além disso, ela também poderia ajudar cientistas a desenvolver tintas ou revestimentos de proteção contra as bactérias em novos navios.

Dan Conlin, curador da história marítima do Museu Marítimo do Atlântico, em Halifax, observa os cientistas sabem muito mais sobre o Titanic do que a maioria dos naufrágios.

"O que é fascinante para mim é que tendemos a ter essa idéia: de que esses destroços são cápsulas do tempo congelados no tempo, quando na verdade há todos os tipos de ecossistemas complexos alimentando-se deles, mesmo no fundo do oceano que é grande e escuro", disse Conlin .

4 comentários:

Tirano Sauro Rex disse...

Odeio essa bactéria!!

Alencar Silva disse...

Infelizmente é a Lei da Natureza.
Nada é eterno...

Anônimo disse...

Nossa eu me emociono bastante vendo essa foto, quem diria que aquele gigante dos mares agora se resume apenas nisto(suspiro profundo) pois é, é uma pena, pois o titanic é maravilhoso mesmo debaixo d´água, mas eu já tinha ouvido falar que ele logo vai desaparecer, mas vai pra sempre estar em nossos corações e nossa memória.

Lucas Rubio disse...

Pois é amigo "anônimo", infelizmente em alguns anos o RMS Titanic será somente história e terá desaparecido para sempre do fundo do mar...